• @_partilha

Afinal, o que é a tal da liberdade?



Se você até hoje não parou para pensar no que significa liberdade, talvez você seja uma daquelas pessoas que vivem no automático e não percebem. Talvez nunca tenha pensado nisso antes e em 2020 tenha olhado para o tema com mais atenção. Outra opção é que você já tenha refletido sobre isso na sua juventude, tenha reivindicado seu direito a ela quando seus pais te impediram de fazer alguma coisa, ou tenha sido daquele grupo que sempre achou que ela viria junto à autonomia financeira ou ter a sua própria casa.


A verdade é que essa palavra “liberdade” é confusa, tem vários significados e mais, é daquelas que acaba não tendo uma exata definição prática na vida de todo mundo. Cada um acaba descobrindo o que faz mais sentido dentro da sua história e assume assim um significado para ela.


Se você é do time de quem ainda não sabe exatamente como definir a liberdade, podemos te ajudar a organizar melhor suas ideias. Quando algo é difícil de definir, podemos inverter a linha de raciocínio para ter mais clareza sobre isso. Já que saber “o que é” está complicado, podemos começar a pensar no que “não é” ter liberdade.


O filósofo francês Jean Paul Sartre nos diz claramente que liberdade não é libertinagem, ou seja, o fato de você ser livre para escolher e agir, não te torna imune às consequências das suas ações e não te autoriza a cometer excessos, crimes e a fazer coisas que não sejam éticas e corretas perante a lei. Ser livre não significa fazer absolutamente o que você quer.


Olhando para o lado de que a liberdade é um fim desejado, temos como referência o discurso de Paulo Freire, afirmando que um dos caminhos mais fortes para alcançá-la é a educação. O conhecimento coloca nas nossas mãos as opções de escolhas e nos dá discernimento para tomar as decisões que nesse contexto são encaradas como liberdade. Poder escolher e, mais do que isso, estar preparado para escolher bem, é uma das teorias do que significa ser livre.


As definições são variadas, como pode ver, mas o que nenhuma delas exime é o preço que se paga por ser livre. Aqui não falamos de dinheiro, nem de trocas ou barganhas, mas refletimos sobre o quanto, de fato, custa termos opiniões sobre as coisas, fazermos escolhas ou até mesmo sair de casa, morar sozinho, não dar satisfações. A liberdade real quase nunca faz jus às imagens relacionadas que encontramos no Google, não totalmente. Os pássaros até voam, mas nem sempre para onde querem - normalmente vão para lugares que tenham comida e condições de sobrevivência. Sair da gaiola é quase sempre resultado de um processo doloroso e extenso de autoconhecimento e mais, sair da gaiola é também lutar contra o desconhecido, aprender a voar e sobreviver.


Será que então liberdade não está intimamente ligada ao nosso instinto de sobreviver?


Talvez esteja mesmo, mas mais do que só existir é preciso aprender a viver de verdade, é essencial reconhecer a importância do processo, valorizar as descobertas de cada fase. Saber de verdade o que é ser livre e qual o peso de tudo isso na sua história. A jornada não é fácil, mas pode ser simplificada com as ferramentas de autoconhecimento certas e ajuda de profissionais que sejam capacitados para de apoiar nos momentos de dúvida, incerteza e insegurança.


A Partilha tem uma grande gama de produtos e serviços que podem ser a bússola que te mostre por onde começar e como seguir. Quer saber qual deles se encaixa na sua rotina e perfil? Dá uma olhada aqui ou chama a gente para conversar.


6 visualizações

© 2020 by Na Ponta da Língua. Proudly created with Wix.com