top of page
  • @_partilha

Saúde mental e educação


Por Ludimila Grasiele


A Partilha tem como foco promover soluções educacionais porque nós da equipe sabemos e sentimos em nossa essência que é através da educação democrática e de qualidade que teremos possibilidade de construir um mundo melhor.


Tudo que fazemos aqui, fazemos com o coração, com cuidado e com ciência. Olhamos para o todo, olhamos para a necessidade integral daqueles que nos procuram e o que tem ficado cada vez mais emergente é a necessidade e busca pela saúde mental.


Não dá para trabalhar com educação, com desenvolvimento pessoal e profissional, com apoio na construção de um ser centrado no seu próprio desenvolvimento, sem falar de saúde mental. Mas o que é saúde mental afinal?


Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) saúde é “um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não somente ausência de afecções e enfermidades”, ou seja, não tem como falar de saúde mental sem cuidar do físico (corpo) e do social (relações e condições dignas de vida como trabalho, alimentação, saneamento, educação e afins). Da mesma forma que estar mentalmente saudável não significa apenas não ter nenhum transtorno.


Saúde mental é o equilíbrio entre físico e o social, para que assim haja condições de se olhar para a subjetividade. Saúde mental é ter a condição e capacidade de se desenvolver a inteligência emocional e isso se relaciona com a educação em diversos níveis e aspectos, mas focarei em alguns específicos, sendo eles: o acesso, a permanência, a qualidade e o desenvolvimento de habilidades socioemocionais.


  • Acesso nada mais é do que toda e qualquer pessoa ter acesso a um ensino de qualidade. Isto envolve muito mais do que conteúdo, tem haver com o espaço físico, espaço de fala e escuta, a forma como conteúdos são passados e claro as relações, tanto com a instituição quanto com as pessoas que lá estão (colegas, educadores, coordenadores e todos que passam pelo espaço).

  • Permanência na verdade é uma percepção individual minha, pois veja bem, um jovem passa metade do seu tempo em espaços de educação. Um professor, um educador social e qualquer profissional que atue na área da educação, passam mais da metade do seu tempo nos espaços de educação desempenhando seu papel profissional. Se estes espaços não são espaços saudáveis, a permanência nos mesmos será motivo de adoecimento, por isso, cuidar para que o espaço seja acolhedor é imprescindível para que a permanência seja mais prazerosa do que obrigatória.

  • Se for ofertado um acesso que promova uma permanência prazerosa, automaticamente, presume-se que há qualidade no espaço, nas relações e nas atividades e conteúdos que estão sendo trabalhados.

  • Habilidades socioemocionais são imprescindíveis para qualquer pessoa, pois quanto mais emocionalmente desenvolvido uma pessoa é, mais capacidade de lidar com as adversidades da vida ela tem. No entanto, o desenvolvimento dessas habilidades não é responsabilidade exclusiva da escola ou de qualquer espaço que atue com educação. É na verdade uma responsabilidade social, pois é no social que nos desenvolvemos.

Este texto não tem como intuito criticar ou idealizar uma educação perfeita que consiga desenvolver a todos em sua plenitude, afinal também é preciso olhar para auto responsabilização. O intuito desse texto é promover uma reflexão sobre o quão importante é alinhar educação e saúde, porque na verdade, um não pode existir sem o outro.


Se você é professor ou educador, você precisa cuidar da sua saúde mental para apoiar seus atendidos na busca da saúde mental deles.


Se você está usufruindo dos espaços de educação, você precisa cuidar da sua saúde mental para usufruir desse espaço com maior qualidade.


Se você é um gestor responsável por um espaço de educação, precisa ampliar seu olhar para conseguir ofertar esse alinhamento entre educação e saúde.


Não dá para falar de soluções educacionais sem olhar para o contexto, para os indivíduos e para a saúde do local e das pessoas. E se você está precisando de apoio para desenvolver seu olhar, não deixe de nos chamar para conversar, nós da Partilha estamos dispostos a te ouvir!

7 visualizações0 comentário
bottom of page