• @_partilha

O seu aval te basta?

“Quem desconfia de si próprio, menos pode confiar nos outros.”

Marquês de Maricá

Ser aprovado, apoiado e reconhecido são a mesma coisa? Elas são importantes para você? Em quais aspectos e situações? Elas são apenas externas ou também internas? Começo este bate-papo com essas questões para que você possa refletir um pouco sobre um tema que é tão corriqueiro em nossas vidas e, por isso mesmo, tão importante ser discutido quando falamos de autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e, principalmente, de felicidade!

Para que possamos avançar, proponho que partamos dos sinônimos dessas palavras. Será que elas são sinônimas? Vejamos!


Aprovar é o mesmo que ser autorizado a fazer algo, ter consentimento ou anuência para alguma ação ou até mesmo uma decisão. É muito utilizada no ambiente de trabalho e até mesmo em vendas. O desconto que um vendedor que te dar, por exemplo, pode não ser autorizado e, aí, você não terá como usufruir desse benefício.


Apoiar é dar suporte, assistência, fundamento. Posso ter apoio para fazer uma tarefa difícil, como é o caso dos técnicos que tanto precisamos na área de TI, não é mesmo? Ou até um apoio de pessoas queridas na elaboração de um trabalho escolar, entre outros.


Reconhecer é condecorar, constatar, declarar algo que o outro fez. Quando nos formamos, recebemos um diploma, que também é um reconhecimento de um mérito que obtivemos. Os presentes também podem ser reconhecimentos de quanto somos importantes para uma pessoa.


Pois bem, na minha leitura, entre os três, o único que tem uma característica de hierarquia é a aprovação. Quem nos aprova, inerentemente, tem que ser alguém que tem esse “poder”, seja concedido pelo sistema, ou até por mim mesmo.


Não há problema algum em precisarmos de uma das três validações em diferentes momentos da nossa vida. O que não podemos é confundi-las.


Contam que havia um campeonato entre sapos na floresta, no qual eles deveriam escalar uma alta montanha. Porém, na noite anterior havia chovido e o chão estava escorregadio. Ao tentarem subir, eles caíam e a plateia não os apoiava, espalhando palavras de negatividade quanto ao atingimento do objetivo do campeonato. Porém, um sapinho parecia imune a tudo aquilo e, finalmente, em função de seu foco e persistência, venceu.


Quando foram conversar com ele sobre como conseguiu, identificaram que era surdo!

Essa história nos ensina que, além de não podermos dar ouvidos àqueles que querem nosso mal, precisamos nos aprovar antes de querer que os outros façam isso! Aquele sapinho dava o aval a si mesmo, não necessitando, portanto, do dos outros.


O apoio e o reconhecimento também são muito importantes para nós e podem nos ajudar a alcançar lugares que queremos, mas que às vezes temos dificuldades. Porém, o mais importante, é que nos aprovemos primeiro, nos apoiemos em nós mesmos e reconheçamos nosso valor, porque assim, o apoio e o reconhecimento do outro virão como reforço e não como peso.


E você, precisa ser surdo para conquistar seus objetivos ou vai agora mesmo começar a se aprovar?


Veja o vídeo abaixo para compreender um pouco mais.



0 visualização

© 2020 by Na Ponta da Língua. Proudly created with Wix.com